quarta-feira, 20 de abril de 2011

Resenha: A Morte do Cozinheiro, Allan Pitz

Postado por Bih Lima às 19:36
Autor: Allan Pitz
Editora: Above Publicações
Categoria: Literatura Nacional/Romance Ficção
ISBN: 856308005
Páginas: 80
Lançamento: 2010
Compre: Tarja Livraria
Sinopse:
A morte do cozinheiro é uma das obras literárias mais intensas e atuais sobre a dor de cotovelo e o ciúme. De forma singular o autor nos guia sem medo até o amor doente de Luiz Aurélio e as psicoses novas da recente solidão induzida. A derrota do ”eu” exaltado, o abandono, e a morte que pede lugar ao descontentamento puramente egoísta caminham livres. Vemos um jogo de querer e não poder, que desenrola o frágil espírito do ser humano desiludido de amor.









“É verdade, eu matei o cozinheiro. Em momento algum deste livro negarei que matei o sórdido cozinheiro com minhas próprias mãos de escrever versos. Havia motivo claro em saciar-se com a sua morte, morte de quem por carne e gozo objetou-se ao incomensurável amor que me tornava tão puro.
Eu estripei-o com suas facas imundas de trabalho banal, e escalpelei por mimo infantil, de criança brincalhona, ao ver os índios e escalpes na TV. Matei o demônio com noventa facadas, cultivando um novo demônio sanguinário em mim, portanto não negarei ter feito a coisa mais maravilhosa que eu poderia fazer por minha inconsequência gloriosa naquele momento: Eu matei o cozinheiro.” (Apresentação – Página 3)

Vou ser sincera, eu julgava os livros, não pela capa, mas sim pelo tamanho. Quanto maior, mas vontade de ler. Agora, esse livro mudou o meu conceito (muitos livros vêm mudando meus conceitos ultimamente). Nos menores frascos se encontram os melhores perfumes...
A Morte do Cozinheiro é uma história bem psicológica, pois, entramos na mente de uma pessoa bastante perturbada que não parece ter noção da realidade. Um esquizofrênico. Ele escuta vozes, recebe telefonemas, que eu acho ser, apenas coisa de sua imaginação, que incita ele a matar o infame cozinheiro.
Durante o livro vemos poucos diálogos. Algumas coisas levam a crer que o livro está sendo escrito pelo próprio Luiz, pois em um momento ele cita:







“A confissão deste crime ardiloso no livro me custará mais tempo de prisão, mas com o apoio maravilhoso que venho recebendo não vejo motivos para deixar de fora este capítulo tão importante.” (Capítulo 3 – Página 18)

Durante esse capítulo ele descreve como matou uma cocotinha, que escrevia conselhos sentimentais.
O final é bastante surpreendente, pois em todo o livro acreditamos numa coisa e quando se chega ao final... Não posso soltar spoiler, néh? Então pra saber tem que ler...

Quero agradecer ao Allan por enviar o livro, o achei muito interessante.

A próxima resenha vai ser de Caixa de Desejos, que sai pela semana que vem.

Beijos e quero muitos comentários!

14 comentários:

Allan Pitz on 20 de abril de 2011 22:58 disse...

Adorei a resenha, Bih. Divulguei lá no blog do selo brasileiro!

Espero que os próximos lançamentos também sejam do seu agrado e interesse.

Um abraço.

Dana Silva on 21 de abril de 2011 10:48 disse...

curti mto a resenha, to ansiosa pra ler esse livro pelo book tour do selo brasileiro.

@jayfereguetti on 21 de abril de 2011 13:49 disse...

A resenha esta otima
Me deu uma vontade de ler
Bjos
http://jayfereguetti.blogspot.com
@jayfereguetti

•*♥*• Sanzinha •*♥*• on 21 de abril de 2011 15:11 disse...

Hey, Bih!

Todo mundo fala desse livro, mas eu não tenho vontade de ler, não.

Super beijo pra vc e uma ótima páscoa pra vc e toda a sua família!

Thalinne on 21 de abril de 2011 20:54 disse...

Nunca fui muito com a cara desse livro, a capa nunca me atraiu, mas depois de ler essa sua resenha fiquei morrendo de vontade de ler.

Mateus on 21 de abril de 2011 21:46 disse...

Oi, Bih!

Nunca me interessei por esse livro, na verdade, nunca li nenhum livro do Allan Pitz, mas pela resenha, o livro parece ser muito bom! Quem sabe, se surgir a oportunidade, eu leio! *-*

Beijão, flor! ^-^

Mateus Bandeira
"Our Vices!"

A estrela do Livro on 22 de abril de 2011 16:06 disse...

Parece ótimo *0*
Primeira resenha que leio desse livro (eu nunca lia pois julgava como você, por ser pequeno)e tô morrendo de vontade de ler agora :)

Diego on 24 de abril de 2011 03:28 disse...

Oi Bih!
Quero muito ler esse livro!
Admito que também tinha um certo preconceito com o tamanho dos livros também. haha
Ainda não tive a oportunidade de ler, mas já dei uma olhada nesse livro.
A única coisa que não gostei muito foi da diagramação dele. Achei meio...exagerada. =X
Mas isso é o de menos. =P
Beijos!

Emoções em páginas on 27 de abril de 2011 14:13 disse...

Parece ser tão legal esse livro!
Quase comprei esses dias
Adorei a resenha, me deixou com vontade de ler
Bjjs

Emilly on 27 de abril de 2011 18:15 disse...

Puxa, adorei sua resenha, fiquei mt afin de ler esse livro!

vai ter promoção dele aki no blog??hauhauahuahua

{confesso q TENHO certo preconceito com o tamanho dos livros sim..U.U}

xoxo, Emi

Thata on 28 de abril de 2011 17:37 disse...

Eu também sou da turma que prefere um livro de 900 páginas a um de 200... Mas eu curti muito a capa desse livro, e o título certamente chama a atenção.
Depois de saber que é sobre um assassino esquizofrênico ainda, me deu mais vontade de ler.

Vou colocar na lista.

B!@ on 15 de dezembro de 2011 12:44 disse...

No dia 15/01/2012 sortearei um Ipad2 entre todos os participantes
das promoções que ocorreram no período de 15/11/2011 a 22/12/2011 em
243 blogs parceiros.

Fátima Menezes on 31 de dezembro de 2011 20:13 disse...

Ah, quero ler esse livro! Adoro livros que mexem com temas psicológicos e suspense. Acho que acabarei adentrando a faculdade de psicologia. Manda um exemplar para mim, Allan! Presente de Natal atrasado. :D

Sério, quero ler. A capa é legalzinha. Confesso que o julgaria pelo tamanho, mas, após sua resenha, não o farei.

Beijos,

Fátima Menezes - @fatimamd
http://recantodecaliope.blogspot.com

Rafa on 3 de julho de 2012 10:38 disse...

Eu gostei da sua resenha, mas não me interessei pelo livro

@RafaellaHenri

Postar um comentário

 

Book Mania Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos